Bolsas Mais do que um acessório, Uma identidade Transeunte.

Chamamos de Idade Média o milênio que começa por voltados dos anos 500 e se estende até cerca de 1500, isto é das invasões bárbaras e da destruição do Império do Ocidente até depois da tomada de Constantinopla.

Até o fim da Idade Média as bolsas desfrutavam de uma androgenia a parte, através de variações, tamanhos, ornamentos e capacidade interna peculiar a cada sexo. As bolsas masculinas, maiores que as femininas eram geralmente feitas de couro, peles, tecidos ornados com franjas, pingentes, bordados em fios de ouro, prata e pedrarias. Algumas bolsas chegavam a custar mais caras do que o ouro da época. Aspochetes eram pequenas e chatas, presas bem rentes a cintura. Já os sacos eram maiores e suspensos por longos cordões, muitas vezes chegando abaixo do joelho.

Certas bolsas “especiais” tinham o objetivo de carregar itens como remédios, tabaco, rapé, chaves, leques, escovas de cabelos e algumas foram desenhadas para armazenar relíquias e livros de oração, conhecidas como bolsas relicário.

No século XV as bolsas ainda continuavam a ser usadas suspensas pelo cinto tanto por homens como por mulheres. Na versão feminina era chamada de escarelle (palavra francesa escar, que significa avarento). Na versão masculina, estilo à bolso (um modelo retangular) e à esmoleiro (trapezoidal ou quadrada).

A prática medieval de dar esmolas deu origem a uma bolsa chamada Almoniere. Ela foi usada predominantemente nas Cruzadas, continuando no período Gótico e na Renascença. Designada para carregar moedas de ouro, foi dada pelo clero a membros das Cruzadas. Foram confeccionadas em seda, linho, veludo ou em couro, suspensas na cintura por cinturões ou cordões.(Fonte Escola SENAI de São Paulo).

A democracia instaura-se nesse novo regime fashionista:bolsas. O que parecia pertencer ao universo feminino depois do século XVII, elas apareceram para sacudir a chata indumentária masculina e, com isso, produzindo novos e belíssimos designs de bolsas confeccionadas em couro, nylon, canvas, sintética e afim.

Segue o mesmo pressuposto os formatos e ferragens das mesmas. Algumas vezes as bolsas até são bastante andróginas e ganham adeptos que usam independentemente do gênero, do sexo ou de qualquer atribuição de repressão.

Todos os designers de moda e acessórios são unânimes em acreditar e defender tal acessório como referência de identidade e significativa atitude.

As bolsas transitam livres e audaciosas pelos diversos universos e praticamente carregam a história, o closet, os personal belongings de seus usuários. Sou um exemplo categórico para ilustrar tais observações (rindo de forma blasé, por aqui).

Sempre se soube folclórico e objeto de insaciável curiosidade o que mulheres carregavam em suas respectivas bolsas. Entretanto é correto afirmar que o que carregam em suas bolsas diz muito de como são, sentem, pensam e expressam. Parte do que é subjetivo para muitos, se torna factual quando bolsas se abrem aleatoriamente e escancaram intimidades e pequenos segredos e assumidos caprichos.

Atualmente esse não é mais um privilégio restrito às mulheres, pois os homens estão carregando parte de sua bagagem profissional, pessoal e intima em suas respectivas bolsas.

Bolsas se tornaram iconoclastas e democratas. Empresários, advogados, professores e toda a sorte de profissionais carregam suas respectivas histórias guardadas por zíperes, cadeados, lacres, combinações, amarrações ou botões de pressão. Transitam entre ponte áreas, taxis, metrôs, repartições, desfiles, reuniões e afins como fieis escudeiros de reis e também rainhas que guardam importantes elementos de suas histórias em todo e qualquer âmbito.

Carregam-se histórias impressas por um conceito, estilo e tempo. Guardam também as esfinges do tempo, do trabalho, do processo de reinventarem-se a partir de suas pluralidades, diversidades e singularidades.

As bolsas registram muito mais do que um legado fashionista lembrado por uma tendência ou coleção. Traduzem o conceito de marca, de produto, da identidade do seu usuário, da ergonomia e da funcionalidade também.

As bolsas eleitas para os homens são as de estilo: carteiro, pasta, mochila e tote bag e podem ser usadas nas seguintes categorias:

  • Trabalho formal – a pasta executiva é a opção eleita para combinar com terno e gravata, entretanto é possível fugir do óbvio e usar outros formatos, de preferência em couro e cores discretas.
  • Trabalho casual – Esse estilo de bolsa é totalmente eclético e admite vários tipos de materiais e formatos, levando sempre em consideração a quantidade de itens que terás que carregar.
  • Entretenimento – a bola da vez é para as mochilas em lona ou canvas e confeccionadas em cores quentes, pois são ultracasuais.

Já, as bolsas para as mulheres, demandam uma diversidade inexplicável e inominável. Elas podem ser handbags, clutches, maxibags, backpacks,entre outras. Podem ser usadas nas seguintes categorias.

  • Trabalho formal – carteiras em formato envelope e trapezoidal e, ousando, as maxibolsas em couro,pelica, tresée  e ferragens discretas.
  • Trabalho casual – São ecléticas, vigorosas e admitem vários tipos de materiais e formatos.
  • Entretenimento – Aqui encontramos um caleidoscópio de cores, formatos e composições – Na linha tudo junto misturado. Mulheres têm o poder de recriar suas bolsas e seus respectivos estilos, apenas variando o acessório, aplicando ao look da bolsa, chaveiros, lenços, botons e afins. Fica a dica.

Lembrem-se: as bolsas vieram para substituir os bolsos e passaram a possuir tanta ou mais importância que a própria roupa e a concepção do look. São acessórios que independem de coordenação de cores e materiais (embora para toda regra tenhamos uma exceção). Com que bolsa eu vou?! Com aquela que carrega sua história e seus sonhos sem ser pesada ou incômoda.

ImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImage

handbags, purses, cluthes, bags, maxi ones – Women´s types and shapes!ImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImage

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s